A Cidade e A Rua: Aproximação Etnográfica à Vida Urbana

O projecto "A Cidade e A Rua: Aproximação Etnográfica à Vida Urbana" [POCI/ANT/57506/2004] é financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), sendo o Centro de Investigação e Estudos de Sociologia (CIES-ISCTE) a instituição de acolhimento.
O Centro de Estudos de História Contemporanea Portuguesa (CEHCP-ISCTE), o Fórum Sociológico (FCSH-UNL), o Centro de Ciências do Comportamento Desviante (FCPE-UP), o Centro de Investigação em Serviço Social e Estudos Interdisciplinares (ISSSL), são instituições participantes.
Conta com a generosa colaboração dos consultores António Firmino da Costa (CIES-ISCTE), Gilberto Velho (UFRJ), Joaquim Pais de Brito (MNE/ISCTE) e Rosa Maria Perez (CEAS-ISCTE).
****
Será que a rua pode ser um objecto de estudo para as ciências sociais?
A rua pode ser entendida como unidade mínima de vida urbana, lugar de sociabilidade que se desdobra em vários níveis e dimensões. A rua é lugar de acção, interacção, diferenciação e socialização, transgressão e controlo social, circulação, de encontro e de confronto. Um espaço de integração de funções (residenciais, laborais, de lazer), um território impregnado de memórias, um cenário e palco de cruzamentos sociais, de trajectórias e destinos individuais que interagem.

Este site apresenta um projecto de investigação colectivo e pluridis-ciplinar em torno da rua. A rua, nas suas extensões
(lojas, associações, templos, praças, esquinas), é aqui perspectivada como uma síntese possível de «vida citadina», recorte etnográfico único para a exploração e o conhecimento da vida urbana contemporânea a partir de baixo e de dentro. Neste sentido, a rua não surge como uma unidade definida à priori, mas sim como um objecto a identificar e a construir ao longo do próprio processo de investigação – nas áreas da antropologia urbana, história social e urbana, sociologia urbana, psicologia ambiental.

Os enfoques temáticos desenvolvem-se a partir de vários pontos de vista:
*a rua como unidade de população temporalmente estável;
*a «ideia de rua» nos projectos e imaginário do urbanismo moderno vs a sua apropriação pelas populações que a ocupam;
*a rua dos polícias na acção de vigilância e controlo e nas representações profissionais e sociais;
*a rua das sociabilidades juvenis entre a casa e bairro ou de formas de nomadismo urbano associados a práticas de comércio e consumo de droga;
*a rua dos muçulmanos da África Ocidental em torno de práticas de geomância;
*a rua das famílias hindus em processo de realojamento entre o templo e o centro comercial;
*a «vida de rua» em áreas suburbanas e urbanas mais ou menos sedimentadas, mais ou menos precárias



More so than the topic, it is the street that is a problem to be identified and stated. The street can be seen as the minimum unit of city life, a place of sociability registering various levels and dimensions – of action, interaction, differentiation and sociability; misbehaviour and social control; circulation and mutual acquaintance; meeting and confrontation; a space for the integration of functions (relating to residence, work and leisure), a territory steeped in memories, a social crossroads and the scene of and stage for different daily lives and individual, interacting trajectories and destinies. In its extensions (shops, associations, churches, squares, street corners and even houses) the street is viewed here as a possible synthesis of city life, a singular ethnographic sample for exploring and getting to know contemporary urban life from “the bottom and the inside”. In this sense, the street does not emerge as a pre-defined unit but as an object to be defined and constructed throughout the research process itself, an observation unit with considerable social and cultural consistency and with comparison possibilities that add original knowledge to a theoretical reflection on the city and its specific socio-cultural dynamics. Methodologically, the research is organized around a set of social and culturally different case studies, both from the point of view of the topics and the ethnographic contexts involved. The cases correspond to individual research paths, at different stages of development, which contributes to an open reading permitting the identification of patterns, regularities and consistencies at complex social situations. Such investigations, disciplinarily diverse, favour ethnographic registration close to the micro-scale of daily life, using a variety of methods and techniques, such as observation, interviews, situational and network analyses, documentary, press and archive research, video-recordings and, possibly, a questionnaire. The places selected in Lisbon and Porto are varied, from the historical centres to the suburbs, in neighbourhoods (recent, historic, «popular», precarious, multi-ethnical, social-housing and middle-class) and other types of public or private space. Thematically, the points of focus are developed from the point of view of: the street as a population unit that is stable in time; the «idea of the street» in the projects and imagery of modern urbanism vs its appropriation by the people occupying it; the street of the police force in its activities of guarding and supervising and in professional and social representations; of the young people’s sociabilities between home and neighbourhood or of the forms of urban nomadism associated with drug trafficking and use; of West African Muslims practising geomancy; of Hindu families being re-housed between the temple and commercial centre; the «street life» in more or less settled urban and suburban areas.

Search this blog

© 2007 Etno-Rua. ISCTE - CIES | Contact Us